0 produtos   –   0,00 €

Carrinho de Compras ×

Não existem produtos no carrinho


Fraldas Reutilizáveis, sim?

Escrito em 06 de Jan. de 2016


Fraldas reutilizáveis, é um tema que à partida parece destinado apenas a mães cheias de paciência, tempo e gosto pela causa, claro! Ora gosto pela causa, claro que eu tinha, paciência também (principalmente para aturar quem me queria desanimar) e tempo, íria perceber que afinal era tudo apenas uma questão de organização. Comecei então uma investigação quase infindável sobre o assunto e a verdade é que sem falsas modéstias íria ter adorado encontrar esta série de posts que vou escrever sobre este assunto para ter podido aligeirar o meu caminho. Decidi dividir em vários capítulos esta minha experiência, mas haverá sempre matéria para posts novos.

  O primeiro obstáculo que vão encontrar, são os comentários opinativos de todos à vossa volta sobre essa "loucura" das fraldas de pano, desde o - Estás doida, vais voltar ao tempo das avós? ao - E vais ter paciência e tempo para lavar as fraldas? - Que engraçado, é muito giro mas não é para mim! e ainda - Vais andar com cocós dentro de um saco? Bem, posso assegurar-vos, que há alturas em que é muito fácil desanimar e pensar como é simples e fácil usar fraldas descartáveis. Mas como sou muito teimosa e persistente sabia que íria tentar convencer muitos de que eram de facto uma boa alternativa, até, porque quando começamos a descobrir este mundo das fraldas de pano e todas as suas vantagens entramos num caminho sem retorno. Pelo meio de tantos comentários um dos mais engraçados e incentivadores que ouvi foi dito pelo Xavier cá em casa: - "este bebé tem um rabinho de rei, já viram o luxo das fraldas! Sim porque não deve ter graça nenhuma ter o rabinho com umas cuecas de papel!".

  Existem mesmo muitas coisas que devem saber antes de começar a comprar, não vale a pena precipitarem-se, porque o que interessa aqui é apostarem num investimento compatível com o vosso estilo de vida e pensando sempre que há formas muito simples de não criar mais poluição.

   Tomar consciência dos factores que nos levam a tê-las como opção é muito importante. Um dos pontos fortes destas fraldas prende-se com a pele do bebé, neste aspecto não há mesmo melhor opção. São as mais saudáveis e uma excelente opção para bebés que desenvolvem problemas de pele mais ou menos graves, pois não há dúvida que deixam a pele impecável. Principalmente nos rapazes não provocam sobreaquecimento, ou seja foi já feito (pelo menos) um estudo, por cientistas alemães que sugere que o uso das fraldas descartáveis pode estar associado à infertilidade masculina na idade adulta. Aqui deixo-vos um excerto desse estudo:

   "A somar a todos os restantes malefícios apontados às fraldas descartáveis, como a sua condição de poluidoras e causadoras de alergias e problemas ginecológicos, este estudo, desenvolvido pela Universidade de Kiel, afirma que o uso de fraldas descartáveis pode estar associado à infertilidade masculina. O uso deste tipo de fraldas, muito em moda e que parecem querer destronar as clássicas fraldas de tecido, pode explicar o aumento da infertilidade masculina nos últimos 25 anos, associada a uma acção negativa no desenvolvimento do sistema reprodutor masculino. As fraldas cobertas com plástico aumentam significativamente a temperatura do escroto e dos sacos testiculares e a temperatura é crítica para o desenvolvimento testicular normal e para a saúde do esperma. Basta a subida de um grau de temperatura para todo o processo de desenvolvimento estar comprometido. O grupo de cientistas mediu e analisou a temperatura das bolsas testiculares de 48 pessoas, de bebés a homens até aos 42 anos de idade, que usavam fraldas de algodão e descartáveis e verificaram que a temperatura subiu, o que não acontecia com os que usavam fraldas de tecido. O estudo abrangeu dois períodos de 24 horas: durante um deles, os meninos utilizaram fraldas laváveis de algodão e, durante o outro, fraldas descartáveis recobertas com plástico. A temperatura era medida durante caminhadas e durante o sono. A temperatura retal foi avaliada para comparação. A temperatura era consistente e significativamente mais elevada - até 1ºC acima da temperatura corporal, durante o uso de fraldas descartáveis. A temperatura retal era significativamente menor que a temperatura escrotal quando as crianças usavam fraldas descartáveis e igual quando usava fraldas de algodão. Em adultos, a exposição à altas temperaturas (por exemplo, episódios de febre e saunas) pode reduzir a contagem de esperma, tendo sido utilizada como forma contraceptiva em homens. O risco subsequente da infertilidade adulta em meninos cujos testículos não descem na idade normal é atribuído ao aumento da actividade testicular. Um aumento prolongado da temperatura escrotal no início da infância pode, portanto, ter papel importante para a saúde e função testiculares, com implicações para a fertilidade masculina."

 

in http://www.abcdobebe.com/vestuario/fraldas-descartaveis-causam-infertilidade.html

   Quanto ao impacto ambiental há que ser realista. É claro que as fraldas de pano também têm algum impacto, porque algumas (a grande maioria, mas mais à frente falarei sobre isso) têm na sua composição plástico, que é utilizado na impermeabilização do exterior na fralda, e que claro, como em tudo nesta áerea ecológica, ser só uma fralda reutilizável não é necessariamente sinónimo de produto sustentável, mesmo assim, esse impacto é bastante reduzido na quantidade, tendo em conta que em média precisariamos (no máximo) de 20 a 30 fraldas de pano para 2 a 3 anos de vida de um bebé. Nunca é demais frisar que o impacto ambiental dos resíduos das fraldas descartáveis se está tornar colossal e incomportável para o planeta e aqui não podemos simplesmente fechar os olhos, assobiar para o lado e fingir que não está a acontecer. Se ainda não sabem é bom ter em mente que uma fraldadescartável comum demorará cerca de 500 anos a biodegradar-se.

  Também vamos gastar algum dinheiro em lavagens e secagens (é verdade que vamos aumentar um pouco a nossa pegada ecológica), mas mesmo num cenário de lavagem de fraldas dia sim, dia não e caso nunca misturem com outra roupa, por exemplo toalhas, não vamos gastar mais do que 70€ ano mais 20€ de detergente. No meu caso herdei de uma amiga um pack de 15/20 fraldas e comprei umas 10 novas, pois estão sempre a surgir fraldas mais modernas e eficazes que as anteriores, a oferta neste momento de fraldas de pano no mercado é gigante, o que me deu a vantagem de experimentar marcas diferentes cada uma com as suas especificidades e me permitiu fazer várias triagens (Em breve falarei sobre os muitos tipos e marcas de fraldas de pano).

   Existe outra questão relevante, o lado prático na vida de muitas famílias, as fraldas descartáveis são super práticas (e essenciais) em saídas de casa, não é realista ir de férias (para um sítio que não uma casa) e levar o kit completo de fraldas de pano, que envolve uma logística (mesmo que bem organizada) complicada. Mas neste caso (felizmente) já existem alternativas mais ecológicas. Podemos complementar o uso de fraldas de pano com fraldas descartáveis biodegradáveis. É verdade que são um pouco mais caras, saem em média 25 cêntimos por fralda, enquanto as mais baratas não degradáveis rondam os 11 cêntimos (Preços de janeiro de 2015) e que também ocuparão volume nos aterros (mas por menos tempo) pois têm definitivamente menos impacto que as fraldas comuns. Para além do benefício ecológico ainda há o económico pois fazendo as contas no final estaremos sempre a poupar. É possível encontrar na net vários quadros com esta relação de custos, a maior parte feitos pelas marcas , cada um poderá tirar as suas conclusões, mas no próximo post falarei sobre as questões económicas e apresento-vos o meu quadro com essa relação.

 

03.03.2015 | Joana Seixas

http://www.lebigeco.net/#!Fraldas-Reutiliz%C3%A1veis-sim-1/cmbz/54febb500cf2458597938b2f